O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos
Bancários de Santa Rosa e Região

O SEEB - Santa Rosa foi fundado a partir da emissão da CARTA emitida como segue:

O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO FAZ SABER o quantos esta CARTA virem que, atendendo ao que requereu a ASSOCIAÇÃO PROFISSIONAL DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIO DE SANTA ROSA, com sede em SANTA ROSA no ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, resolve aprovar o respectivo estatuto e reconhecê-la sob a denominação de SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE SANTA ROSA, como sindicato representativo da correspondente categoria profissional, integrante do 1º grupo: empregados em estabelecimentos bancários do Plano da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito, na base territorial do município de SANTA ROSA, com sede em SANTA ROSA no ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, de acordo com o regime instituído pela CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO.

 E, para firmeza, mandou passar a presente CARTA, que vai por mim assinada.

 Brasília, 25 de janeiro de 1979


HISTÓRIA DO MOVIMENTO BANCÁRIO

Os bancários exerceram um papel muito importante na construção da história da classe trabalhadora brasileira. Foram muitos anos de luta. Desde a década de 30 os bancários vêm se organizando para a construção de um projeto nacional representativo de toda a classe trabalhadora, rompendo com as amarras do sindicalismo atrelado ao Estado, assistencialista e corporativo, para tornar-se uma entidade representativa de classe, democrática e de luta contra as injustiças sociais.

As primeiras entidades sindicais de bancários do Brasil foram criadas nos anos 20, quando o Sistema Financeiro estava ligado, principalmente, aos setores agrícolas, sobre tudo a cafeicultura de exportação, por isso, eram poucas e concentradas regionalmente.

Com a mudança da economia brasileira na década de 30, que passou do modelo agrário-exportador para o urbano-industrial, o Sistema Financeiro começou a se expandir, acentuando-se com isso, a concentração e centralização do capital, e embora a característica do Estado nessa época fosse intervencionista, nada fez contra os interesses do capital financeiro, fazendo com que as ações partissem do sindicalismo. Nesta época, já existiam bancários em todo o país, porém, os sindicatos estavam concentrados nos grandes centros.

Em 1934, os bancários de todo o país, liderados pelos sindicatos de São Paulo, Rio de Janeiro e Santos, fazem uma grande paralisação nacional, e conquistam o direito à estabelidade no emprego após dois anos de contrato e criam o IAPB, Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Bancários. A partir dessa mobilização o Estado começou a endurecer e perseguir o sindicalismo, criando a Lei de Segurança Nacional para conseguir o seu intento, o que culminou com o advento do Estado Novo.

Em 1945 e 1946, ocorrem duas grandes paralisações dos bancários em todo o país, resultando num Acordo Coletivo de aplicação nacional. A partir daí, o Estado comandado por Dutra comanda outra repressão ao sindicalismo, colocando o PCB na ilegalidade e intervindo nos maiores sindicatos do Brasil, dentre eles o Sindicato dos Bancários de São Paulo.

Em 1951, terminada a intervenção nos sindicatos, acontece a mais longa paralisação realizada pelo movimento bancário que reivindicava 40% de reajuste salarial. Em São Paulo, foram 69 dias de paralisação. A unidade que havia no início do movimento foi rompida em virtude dos banqueiros dissiparem a greve em alguns sindicatos, realizando com esses, acordos em separado, pagando 20 e 25% de reajuste, e em relação ao Sindicato de São Paulo, recorrem à Justiça para julgar a Greve, e as consequências foram demissões em massa, transferências compulsórias e por dez anos que se sucedeu, as assembleias dos sindicatos se esvaziaram com medo de represália dos banqueiros. Esta década caracterizou-se pelo esforço da categoria bancária em organizar-se em nível nacional para conseguir seus objetivos, o que culminou com a criação, em 1956, da Comissão Executiva Nacional dos Bancários e em 1957, a Federação dos Bancários de SP e em 1958, a CONTEC.

No início dos anos 60 retomam-se as mobilizações nacionais dos bancários, e após 10 anos, em 1961, realizam uma nova greve nacional. Em 62 e 63, quando a política se agitava no país, repetem-se as paralisações. Em 1964 o Golpe Militar coloca sob intervenção do Ministério do Trabalho centenas de sindicatos, não apenas para controlar a atividade político-sindical, mas para coibir a unificação nacional do movimento. Surgiram nesta época novos sindicatos desmembrados da base de sindicatos importantes, como o de São Paulo, com o objetivo de criar lideranças sindicais dóceis ao Regime Militar implantado. A retomada dos sindicatos como órgão de luta dos trabalhadores, somente acontece, no início dos anos 80, porém, o resultado, catastrófico. Estes longos anos de domínio militar conseguiram desarticular o trabalho político-sindical de três décadas, e até hoje, encontramos resquícios de sindicalismo herdeiro daquele regime. Para os bancqueiros, todas as intervenções do Estado neste setor vieram em benefício próprio.

Em setembro de 1979 os bancários tentam realizar a primeira paralisação desde 1963. Devido a um grande tumulto ocorrido nas ruas e no centro de São Paulo, fracassa esta tentativa e em 1980, o sindicato propõe ao invés da paralisação da categoria, o estrito cumprimento da legislação trabalhista no limite de jornada de trabalho de 6 horas diárias.

Nesta década de 80, acontecem muitos conflitos pela retomada do verdadeiro sindicalismo, entre os perseguidos pelo Regime Militar que se intitulavam sindicalismo autêncico e os permitidos pela Ditadura que eram conhecidos por herdeiros da intervenção de 64 . Estes conflitos culminaram com a criação da CUT em 1983 pelos sindicatos autênticos e com a adesão de vários sindicatos bancários liderados por São Paulo. A tão sonhada unificação da categoria somente acontece com o início da Abertura Política em 1985, quando todos os bancários do país tem sua base fixada em 1º de setembro.

Em 1985 os sindicatos dos bancários dirigidos por uma Executiva Nacional eleita em Congresso da categoria realizam a primeira greve nacional após 1964. Os banqueiros haviam apostado no fracasso do movimento sindical e se deram mal. A greve foi um sucesso, tanto que as reivindicações da categoria foram atendidas quase que integralmente. Nesta metade de década, 85-90, foram os anos dourados do movimento sindical brasileiro, pois não houve ano em que não se deflagrou algum movimento ou ação em busca de melhores condições de vida para toda a categoria.

A partir de 1990 o Movimento Sindical começa a enfrentar suas contradições. A unificação do processo negocial que reunia todos os bancos, públicos e privados, no final de 89 começa a ser rompida. Nos bancos públicos controlados pelos Governos Federal e Estaduais, que até então se caracterizavam por empregos estáveis, perspectiva de carreira e salários superiores, começa-se a criar fóruns próprios de organização e negociação, dispersando por sua vez, a ação conjunta da categoria.

A eleição do Governo Collor determinou uma acirrada crise institucional e econômica no país, com reflexos desastrosos para o setor bancário, que passa a enxugar os seus quadros tanto no setor público como privado, e as greves da categoria bancária neste período, já não aconteciam na totalidade do país, mas isoladamente, nos grandes centros, por sua vez, os acordos firmados com os banqueiros deixavam de contemplar todas as necessidades da categoria, principalmente no setor público.

Com o Governo FHC, a situação do emprego bancário se agravou. No setor público federal, desde o início do Plano Real não acontece reajuste de salário e neste último ano, a situação se agravou, ainda mais, com a ameaça constante do desemprego e não reconhecimento de direitos adquiridos.

No setor privado, que recicla seus quadros constantemente, o medo do desemprego faz com a participação dos bancários nas atividades do sindicato, seja cada vez menor. As ações do movimento sindical, como a Greve no último período, é direcionada aos grandes centros onde ainda existe um bom contingente de bancários.

Em virtude da diminuição considerável da categoria, as atividades sindicais tem se voltado em muito ao campo das ações judiciais, o que se opõe a toda uma história de lutas da categoria que em seu percurso sempre procurou afastar-se do Poder Normativo da Justiça, até por não acreditar muito nesta hipótese ser favorável aos seus interesses.

Em síntese, resgatando um pouco da história do movimento sindical brasileiro, deve-se repensar novas estratégias de enfrentamento e de organização do movimento sindical, reforçando neste aspecto, a organização por local de trabalho, com a finalidade de superar a própria crise por qual passa o sindicalismo como um todo.

Cabe ao movimento sindical, que deseja ser o representante do conjunto dos trabalhadores, formular e implementar políticas que respondam às novas demandas que surgem a cada dia, com as mudanças no mercado do trabalho.

As práticas tradicionais de sindicalismo dos anos 80, a mobilização em torno das datas-bases, dos reajustes salariais e das greves massivas, estão cada vez mais sendo substituídas por novos desafios, como o desemprego, a participação nos lucros, a flexibilização das normas de trabalho, a reestruturação do Sistema Financeiro, a Reforma do Estado, as privatizações, a terceirização dos serviços, a transferência da atividade bancária para outros setores, etc.


2017 © Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Santa Rosa e Região
ASPxHyperLink
Telefone: (55) 3512 6575 - E-mail: sindicato@seeb.com.br